Archive for the ‘ Conduril ’ Category

#11.1 Ponte sobre o Rio Arade

2

A Ponte sobre o Rio Arade consistiu num projecto do Engenheiro Civil Armando Rito, tendo sido construída pela empresa Conduril. Os tirantes responsáveis pela sustentação do tabuleiro foram executados pela Freyssinet.

 A Variante de Portimão foi consignada em Novembro de 1987, tendo-se iniciado os trabalhos de construção da ponte no ano seguinte, em Abril de 1988, e betonado o fecho central na noite de 31 de Julho de 1991. Os ensaios de recepção realizaram-se em Agosto e a obra foi inaugurada em 13 de Setembro de 1991.

 A obra compreende numa ponte de tirantes com três tramos, composta por um tabuleiro em betão armado pré-esforçado, com um tramo central de 256,00 m e dois vãos extremos de 107,00 m. A suspensão total é concretizada a partir das duas torres de betão armado em forma de Y invertido com 61,50 m de altura, por tirantes afastados entre si de 8,00 m ao longo do tabuleiro.

Sem Título 1

 Os viadutos de acesso nascente e poente à ponte têm vãos correntes de 30,00 m e vãos extremos de 24,00 e 27,00 m, respetivamente do lado dos encontros e do lado da ponte, totalizando comprimentos de 231,00 e 141,00 m.

Sem Título 3

 O tabuleiro da ponte, em betão armado pré-esforçado, é formado por dois caixões longitudinais A sua união é conseguida por meio de uma laje superior. O tabuleiro tem uma largura total de 17,00 m sendo 12,00 m a largura total entre guarda de segurança, largura que acomoda as faixas de rodagem. O tabuleiro possui carlingas pré-esforçadas afastadas entre si 4,00 m.

1

 O tabuleiro dos viadutos de acesso exibe uma geometria exterior muito semelhante à da ponte, variando apenas a largura, cujo disfarce é efetuado sobre os pilares de transição. Internamente, as nervuras variam entre maciças e vazadas em função das necessidades estruturais. O tabuleiro é em betão armado pré-esforçado na direção longitudinal e armado na direção transversal.

Sem Título 2

As fundações das torres e dos pilares de transição são compostas por estacas de diâmetro de 1,10 m. Nas torres, as estacas são encabeçadas por maciços pré-esforçados por barras e ligados por vigas transversais, também pré-esforçadas.

Dada a natureza problemática do solo de fundação, as estacas atingem profundidades elevadas, em média cerca de 50 metros, atingindo um máximo de 63 metros.

 Os pilares dos viadutos de acesso são elípticos e assentam nos maciços de betão armado, de forma triangular, que encabeçam um grupo de três estacas de 1,00 m de diâmetro por pilar, estando estes maciços ligados entre si por uma viga de travamento transversal.

 A obra dispõe apenas de duas juntas nas suas extremidades sobre os encontros sendo contínua sobre os pilares de transição.

16

 Os encontros são de betão armado, fundados igualmente em estacas de 1,00 m de diâmetro, encabeçadas por estribos, e são dotados de muros de ala e de muros de retenção de terras.

 O desenvolvimento total de Ponte sobre o Rio Arade, incluindo viadutos de acesso, é de 842,00 m.

Uma das originalidades, na concepção estrutural, reside no facto de estes 850 metros aliarem a suspensão total à ausência de qualquer ligação rígida impeditiva de deslocamentos, em qualquer direcção horizontal. Apenas dispõe de amortecedores de oscilações. Consegue-se, desta forma, que a obra se torne praticamente isolada das acções
sísmicas, funcionando como um pêndulo livre, capaz de oscilar em qualquer direcção.
22

Quantidades de materiais consumidos na obra:

 Betão:

  • Fundações – 8000 m3
  • Torres e pilares – 2800 m3
  • Tabuleiro – 8800 m3

 Aço de pré-esforço:

  • Em barras – 125 ton
  • Em cordão (tabuleiro) – 190 ton
  • Em cordão (tirantes) – 290 ton

 Aço passivo:

  • Fundações – 300 ton
  • Tabuleiro, torre e pilares – 1400 ton

Desde o final de 2015 e durante o ano de 2016 a obra está a ser sujeita a obras de reabilitação que insidem essencialmente em:

  • reabilitação do betão armado
  • reabilitação / substituição de aparelhos de apoio
  • substituição de juntas de dilatação
  • reabilitação dos tirantes com substituição de cordões
  • reabilitação de serralharias
  • execução de pinturas

Bibliografia consultada
– João Almeida, Luís Oliveira Santos – “Pontes atirantadas do Guadiana e do Arade” – LNEC
FI2

#6.3 Ponte TGV Espanha: Time Lapse

Pequeno video [time-lapse] da construção do viaduto até ao momento:

#57 Ponte das Várzeas

Ponte metálica, também conhecida como o Viaduto das Várzeas, é uma infra-estrutura ferroviária da Linha da Beira Alta, sobre a Ribeira das Várzeas, e está localizada junto à localidade de Luso.

605301cb-dd6e-4426-b655-8101625e7519 f1dfdacf-33fa-47ce-86a8-93529a05d4d3

Foi construída pela Casa Eiffel, com um comprimento total de 280 m. A mesma foi aberta em Agosto de 1882. Mais tarde, em 1958 a ponte original foi substituída por uma outra erguida pela empresa alemã Krupp.

5a058745-0548-4cfe-b4ba-a11b24bb2837 9b3f4bf0-3b2e-4b81-93c1-5dd02e0a19fc 2250733IMG_ (110) IMG_ (111) IMG_ (113) IMG_ (114)

#6.2 Viaducto sobre el Río Almonte, mais uma vez [visita]

DSC_3305 DSC_3309 DSC_3310 DSC_3312 DSC_3313 DSC_3324 DSC_3457 DSC_3473 DSC_3493 DSC_3301 DSC_3335 DSC_3358 DSC_3392 DSC_3395 DSC_3396 DSC_3416 DSC_3438

Fotografias de Rui Maia

#50 Ponte de Santar sobre o Rio Vez

Quando o trabalho se cruza com obras de arte deste tipo sabe sempre bem sair de casa. E sair do escritório!

#38 Ponte velha de Vagos

Link para a imagem

Link para a imagem

#6.1 Viaducto sobre el Río Almonte, novamente

“Los trabajos de construcción de la Línea de Alta Velocidad Madrid-Lisboa avanzan a buen ritmo. En el tramo Talayuela-Cáceres se están construyendo diferentes estructuras. Entre ellas destacan dos viaductos sobre los ríos Tajo y Almonte [viaduto este em que participei na elaboração da proposta apresentada a concurso da empreitada e de qual me orgulho de ver o trabalho colher frutos para a empresa que me acolhe profissionalmente!], en el embalse de Alcántara.”

 

O texto sobre este viaduto encontra-se no artigo #6.